Seven Turns

Anúncios

PALESTRA: “Uirá – Sabedorias ancestrais indígenas, asiáticas e neurociências”

Uira

Apresentação do projeto de diálogos cosmológicos-educacionais, com performance musical e presença de representantes indígenas e não indígenas.

Local: SVM

Palestrantes: Prof. Dr. Arthur Shaker faz parte do Núcleo Neurociências, Mindfulness e Saúde – SP/ BH e é professor do Programa de Meditação Voltada Para Saúde – Faculdade de Saúde Pública USP e Alvaro Tukano é Diretor do Memorial dos Povos Indígenas.

Informações

Início :     12/08/2017 – 18 horas

(61) 98481-2187

SGAN 909, Bl. E, Asa Norte, Brasília – DF (Próximo ao Uniceub)

Mapa: http://bit.ly/svm-map

Sociedade Vipassana de Meditação

 

A memória do povo ainda faz FHC forte candidato a 2018

FHC
Crédito da foto: GGN

Há momentos estive num bar. Flagrei a conversa de uma senhora (diga-se, pelas vestimentas e pelo local que frequentava, pobre) – ela conversava com outra senhora também de aparência pobre, mas mais nova.

A mais velha disparou que “nesse aí eu não voto de jeito nenhum. Nunca votei nele”.

A senhora mais velha estava se referindo a Luiz Inácio Lula da Silva que aparecia (por qualquer razão) na tela da tevê.

A mais jovem concordou parcialmente.

A mais velha disparou que só “voto naquele que fez o real” (ela se confundiu um pouco, mas estava falando de FHC).

A mais nova concordou também parcialmente enquanto a mais velha dizia que “eles (Lula e família) estavam agora dormindo tranquilos”.

Ela não estava dizendo que Lula e família dormiam “o sono dos justos” à noite, mas durante o dia, enquanto o povo estava numa pindaíba danada – não eram 3 horas (15 horas) da tarde ainda.

A senhora mais nova tentou tomar as rédeas da conversa, dizendo que “ele (FHC) está muito doente e não pode se candidatar”.

A mais velha reagiu dizendo, então, que “ele (FHC) que colocasse a mulher dele no lugar ou um de seus filhos”.

Duvido que ela saiba que Ruth Cardoso morreu e FHC tem nova mulher (Patrícia Kundrát) e quantos filhos/as o ex-presidente tem (três).

A conversa deve ter terminado do ali (suponho que terminou) pois elas pediram a conta do bar e saíram.

O vencedor

Após Fernando Collor de Mello bater Lula de virada na primeira eleição presidencial direta depois regime militar, Lula teve de amargar duas derrotas para FHC em primeiro turno nas duas eleições seguintes.

Há uma miríade de explicações do por que FHC venceu Lula com tanta facilidade nos dois pleitos, explicações de vão desde a paternidade do Plano Cruzado passando por ser um “cara bonito” até pela sua condição de intelectual e de professor da Universidade de São Paulo.

Seja o que for e mesmo que sejam todas as variantes, parece que o único candidato a ter forças para derrotar o “sapo barbudo” seria FHC.

Ocorre que, ao contrário de Lula, FHC não dá mostras de querer voltar a disputar a presidência da república, mesmo que alguém choramingue nos seus ombros para que volte.

Talvez isso seja, realmente, republicanismo, e não aquilo que anda se dizendo por aí, entre gente que não “quer largar o osso nem a pau”.

Leia também

Lula chama Luxemburgo e ex-presidentes franceses como testemunhas de defesa

Temer tem mais é que festejar o seu índice de aprovação nas pesquisas

Temer

O prestigio de Temer junto aos brasileiros é algo de muito notável.

O presidente só tem 5% de aprovação (bom/ótimo), o que é sem dúvida nenhuma um feito.

Deveria estar festejando!

Assim como choramos na alegria e na tristeza deveríamos (com sinal invertido, é óbvio, e como é o caso) nos alegrar ou nos entristecer na adversidade.

Vai que por conta disso Michel Temer tenha um “estalo de Vieira” ou um satori (uma iluminação rumo ao Nirvana)?

Pelo menos a gente se livrava dele.

É curioso tentar descobrir quem acha que Temer é um governante bom ou ótimo.

Só a Marcela não conseguiria esse feito, pois ela teria que se desdobrar em milhares de Marcelas.

E mesmo colocando o filhote do casal na dança, e mais os outros filhos de Temer, os amigos, os parentes, os puxa-sacos e os correligionários a conta não fecharia nunca.

O notável em Temer é que ele se faz de morto, de desentendido, de “eu não sei do que vocês estão falando” e permaneça na presidência da república com esse ruído todo.

É provável, portanto, que Temer se ancore nesses 5%, até que, finalmente, tenha o “estalo de Vieira” ou encontre de vez e para sempre o satori rumo ao Nirvana.

Mas também precisamos notar que fora aquela ruma de gente citada acima (a Marcela, os parente e blábláblá) tem gente que acredita mesmo que o Michel Temer está fazendo a coisa certa e que “daqui pra frente tudo vai ser diferente”.

Quer saber? Temer tem realmente o que comemorar.