Conexão Brasil-Venezuela-Angola ou onde começa e termina o global power do Brasil

Pois então, somos ou não o tal do global power do qual falou, ao defender Dilma Rousseff de uma pergunta de Sandra Coutinho, da Rede Globo de Televisão, o presidente norte-americano Barack Obama?

Ou o nosso power não passa de retórica interna para agradar nacionalistas tacanhos e fanáticos partidários?

O país tem duas chances enormes para provar “a que veio” (será que veio mesmo?) no palco internacional do poder: Venezuela e Angola.

Angola

Crédito da foto: operamundi.uol.com.br
Crédito da foto: operamundi.uol.com.br

Em plena ditadura militar, o Brasil foi o primeiro país a reconhecer (1975) a independência de Angola do jugo português, após uma luta demorada e sangrenta entre a ocupação lusitana e as forças revolucionárias do MPLA (Movimento Popular de Libertação de Angola) e da FNLA (Frente Nacional de Libertação de Angola).

Oportunismo? Estratégia? Visão de futuro?

Um pouco de tudo.

O Brasil hoje, via algumas empresas (muitas delas metidas até à medula na Operação Lava Jato), tem interesses enormes no país africano, e vários dirigentes angolanos têm negócios não muito claros por aqui.

Rico em petróleo (http://www.observalinguaportuguesa.org/pt/geopolitica/plataformas-continentais/em-2018-angola-podera-vir-a-ser-o-maior-produtor-de-petroleo-em-africa

), em diamantes (“as montanhas de Angola brilham à noite”) e com uma terra de uma fertilidade inacreditável, Angola hoje está imersa em um mar de corrupção e violência patrocinada pelo estado nacional.

Estima-se que num período de 5 anos dirigentes do governo fizeram desaparecer US$ 32 bilhões dos cofres públicos, enquanto 70% da população vivem com US$ 2 por dia, e a polícia política angolana invade e dissolve reuniões, prende opositores, tortura e mata pessoas.

O Brasil está na obrigação de se alinhar aos esforços internacionais para pressionar o atual governo angolano (um dos mais longevos da África: 36 anos) para que se busque, de verdade, colocar a nação africana no caminho da democracia e dos direitos humanos.

E poderia começar por aqui mesmo: fazendo uma devassa nos negócios que gente como o presidente (sic) angolano, José Eduardo dos Santos, tem em terras brasileiras.

Venezuela

Crédito da foto: oglobo.globo.com
Crédito da foto: oglobo.globo.com

O país vizinho marcou eleição parlamentar para o próximo dezembro.

Com uma sutileza: sem a oposição (golpista?)!

E se por acaso algum oposicionista se eleger (camuflado em algum partido “amigo”) deverá ser impedido de tomar posse.

Haja democracia!

A Venezuela sempre deu trabalho ao Brasil. Luiz Inácio Lula da Silva, criador e ideólogo do Foro São Paulo, buscou (pelo menos no início da entidade) bloquear o acesso de Hugo Chaves, o militar golpista, que depois chegou à presidência venezuelana.

Morto Chaves, ascendeu à presidência Nicolás Maduro, que aparece em alguns vídeos sem camisa, atirando contra manifestantes anti-Chaves.

O país vizinho vive uma crise sem precedentes, onde faltam de papel higiênico a absorventes íntimos femininos. Esta semana uma das únicas fábricas de cerveja do país fechou as portas por “falta de insumos”.

Obvio que a saída clássica é a de sempre: acusar a “elite” empresarial de esconder produtos para provocar uma crise no país, e jogar a população contra o governo madurista.

Nesse imbróglio todo, aliás, como em Angola, não faltam invasões, prisões, conflitos e mortes.

A OEA (Organização dos Estados Americanos) quer uma força tarefa para acompanhar a eleição de dezembro.

Maduro já disse que não aceita o que chama de “interferência externa”.

O Brasil por enquanto está caladinho.

Não deveria. Deveria se posicionar claramente.

Afinal, temos ou não um global power?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s