“Os governos de esquerda são os que mais decepcionaram os povos indígenas”

[Lindomar Terena diz que os terena são cerca de 30.000 pessoas que vivem no pantanal do Mato Grosso do Sul. Como a maioria dos povos indígenas brasileiros, sobrevivem apesar de toda uma história de ataques por parte do Estado, que apoiou primeiro os fazendeiros e atualmente as empresas de monocultivo, e tudo isso em nome do desenvolvimento. A resistência do povo terena está baseada na luta por seu território, do qual foram expulsos durante o século XIX.

Assim como em outras partes da América Latina, foi no final da década de 1980 que o governo brasileiro começou a colocar em prática algumas modificações constitucionais que reconheciam parcialmente o direito das populações indígenas ao seu território. Em 1988, estabeleceu-se que em um prazo de cinco anos seriam reconhecidos os territórios pertencentes a todos os grupos indígenas que os reclamavam e que têm o direito porque historicamente são habitados por eles. Mas apenas alguns territórios foram reconhecidos. Os terena não foram beneficiados, apesar de terem comprovado com documentos e estudos antropológicos que sua demanda territorial tem fundamento. Portanto, continuam a luta exigindo a aplicação das leis, tomando terras e exercendo pressão internacional. Neste momento, utilizam as instituições supranacionais, como a Organização das Nações Unidas (ONU).]

Leia matéria completa em http://www.ihu.unisinos.br/noticias/546132-os-governos-de-esquerda-sao-os-que-mais-decepcionaram-os-povos-indigenas-entrevista-com-lindomar-terena.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s