Burundi ruma para tornar-se uma nova Ruanda (?)

BURUNDI-UNREST-NKURUNZIZA
Burundi’s policemen and army forces face protestors during a demonstration against incumbent president Pierre Nkurunziza’s bid for a 3rd term on 13 May 2015 in Bujumbura. In the neighborhood of Musaga, hundreds of people waved sticks and threw stones as police responded with tear gas, a water cannon and live rounds. Protestors looted the local police post in Musaga, burning furniture, mattresses and clothing in a barricade fire, an AFP photographer said. Burundi’s presidency said an attempted coup by a top general had “failed” on May 13, 2015 and pro-president Burundi troops at state broadcaster fire warning shots over the heads of hundreds of protesters, an AFP reporter said. Burundian general Godefroid Niyombare on May 13 announced the overthrow of President Pierre Nkurunziza, following weeks of violent protests against the president’s bid to stand for a third term. AFP PHOTO / JENNIFER HUXTAJennifer Huxta/AFP/Getty Images

É grave a situação no Burundi (República do Burúndi), um pequeno país da África, encravado entre o Ruanda a norte, a Tanzânia a leste e a sul e a República Democrática do Congo.

Contados, ate agora, após três dias de escaramuças, 90 mortos, entre rebeldes e militares.

Segundo relatos, metade dos mortos é de jovens executados pelas forças de segurança do país.

Há quem já estime o número de mortos, neste princípio de noite (no Brasil), em 130.

Burundi está mergulhado numa grave crise desde o anúncio, em abril, da candidatura do presidente Nkurunziza a um terceiro mandato, o que é considerada, por parte da população do país, contrário à Constituição e ao Acordo de Arusha que pôs fim à guerra civil (1993-2006).

Detalhe: Nkurunziza é da etnia hutu.

Choques entre hutus e tutsis no vizinho país (Ruanda) levaram à carnificina de 6 de abril a 4 de junho de 1994, que vitimou entre 900 mil e 1 milhão de pessoas.

Os tutsis de Burundi se sentem sub-representados e perseguidos, daí não aceitarem a terceira eleição de Nkurunziza.

Ruanda

Em outubro de 1990, a Frente Patriótica Ruandesa, composta por exilados tutsis expulsos do país pelos hutus, com o apoio do exército, invade Ruanda pela fronteira com Uganda.

Em 1993, os dois países firmam um acordo de paz – o Acordo de Arusha.

Cria-se em Ruanda um governo de transição, mediado pela ONU, composto por hutus e tutsis.

Em 1994, as tropas hutus, os interahamwe, são treinadas e equipadas pelo exército ruandês, em meio a arengas e incitação à confrontação com os tutsis por parte da Radio Télévision Libre de Mille Collines (RTLM), dirigida pelas facções hutus mais extremas.

Essas mensagens exaltavam as diferenças que separavam ambos os grupos étnicos e, à medida que os ânimos se exaltavam, os apelos à confrontação e à “caça aos tutsis” tornaram-se mais explícitos, sobretudo a partir do mês de abril, em que se fez circular o boato de que a minoria tutsi planejava o genocídio dos hutus.

O Ocidente

Os países ocidentais fizeram “vistas grossas” à crescente violência em Ruanda, o que ajudou a incentivar os interahamwe.

A história parece se repetir no Burundi.

Na época, as únicas tropas internacionais no país eram os boinas-azuis da ONU, que acabaram por sair, abrindo espaço para a carnificina.

Referências

Burundi: A história de um país marcada por conflitos inter …

Conflitos no Burundi já mataram pelo menos 77 civis, diz …

O conflito racial entre hutus e tutsi

Genocídio em Ruanda – Wikipédia, a enciclopédia livre

Entenda o genocídio de Ruanda de 1994: 800 mil mortes …

G1 – Entenda por que o mundo não impediu o genocídio de …

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s