O jornalismo unicórnio praticado do Brasil

Jornalismo
Crédito da ilustração: http://www.revistaforum.com.br

Um sujeito chamado Mateus, professor de literatura, com quem trabalhei na Bahia, no longínquo 1981, dizia que o jornal Folha de São Paulo era “hipocritamente democrata”, mas o único passível de ser lido.

Não foi uma opinião qualquer, pois Mateus era baiano que migrou para o Rio de Janeiro ainda adolescente para estudar, quando o Rio ainda era uma atração para outros brasileiros, especialmente nordestinos.

O professor teve o “prazer” de ser enquadrado duas vezes na Lei de Segurança Nacional, foi penalizado duplamente pelo AI-5 e era um sujeito bastante culto.

Suas aulas de literatura eram aulas extraordinárias de história, como, aliás, deveriam ser todas elas.

Para quem está curioso pela dupla punição convém lembrar que o professor Mateus era comunista, foi dirigente do diretório estadual (fluminense) do PCB e presidente do sindicato de professores da “Cidade Maravilhosa”.

Arguto, Mateus já percebia naquela época que o jornal paulistano dava uma no cravo e outra na ferradura (em suas páginas de opinião), embora suas “reportagens” e matérias já seguissem o modo (pelo qual hoje chamamos) “coxinha”.

Não que isso seja necessariamente um defeito, mas há (principalmente nos dias que correm) um desequilíbrio (numérico) entre colaboradores opinativos de direita (sic) e de esquerda (sic); e a “cobertura jornalística” segue um centrismo liberal que, muitas vezes, descamba para o reacionarismo/conservadorismo.

A contramão da Folha, o jornal O Estado de São Paulo manteve ao longo de sua história (prática que aos poucos perdeu) a tendência de fazer matérias razoavelmente (sic) isentas, mantendo intocada a sua opinião sempre alinhada ao conservadorismo mais tacanho.

Exceção feita a alguns colunistas, cujo custo reparte com o jornal O Globo, o Estadão mantém uma opinião sempre à direita.

O Globo, mais popularesco e mais enraizado nos movimentos à direta e de caserna, não difere muito da prática do jornalão dos mesquitas, prática que se estende aos outros meios de comunicação e entretenimento da organização.

Geração obtusa

O resultado dessa uniformização do pensamento popular, especialmente de classe média, a gente vê cotidianamente nas ruas e nos protestos.

É até possível ver gente largamente beneficiada pelos programas governamentais inclusivos sair a protestar e a xingar “tudo o que está aí”.

A questão a se indagar é se com o pêndulo inclinado apenas para um dos lados será possível solidificar e ampliar a democracia brasileira.

Creio que a resposta seja mais que óbvia: NÃO!

P.S. Pra quem está sentindo falta da citação da revista Veja é bom lembra que a publicação dos civitas é um caso a parte de rancor, de ódio e de oportunismo que não guarda qualquer relação com o jornalismo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s