Se a crise está brava pegue a mochila e bote o pé na estrada

Retira 1
Crédito: jnavegador.blogspot.com

O Brasil vive um momento excepcional de crise (crises – política e econômica) que não tem hora, dia, mês ou ano para acabar. A saída pode ser uma mudança radical e as estradas são bons caminhos.

A extraordinária crise norte-americana, iniciada no final dos anos 20, empurrou para as rodovias do país milhões de pessoas em busca de saídas, novas oportunidades e uma forma de continuar (sobre)vivendo.

As levas de “caminheiros” alteraram o comportamento dos norte-americanos, o que está registrado numa miríade de estudos, livros de ficção, nas artes plásticas, cinema, vídeos, músicas e documentários.

Para que não seja preciso se debruçar sobre essa montanha de obras de ficção e não ficção, talvez baste ver ou rever Thelma and Louise (1991) de Ridley Scott, com Geena Davis (Thelma) e Susan Sarandon (Louise).

Trata-se de duas garotas com idade superior a 30 anos que saem de carro em busca do Éden; Thelma fugindo de uma vida monótona e de um marido tosco e opressor; Louise, de empregos baratos e vagabundos, da violência sexual e da justiça de seu Estado.

Do capitalismo

A despeito da enorme controvérsia entre historiadores, cientistas sociais e economistas, o Capitalismo foi gestado, vagarosamente, do século 11 até o 15.

O século 16 é considerado o marco inicial (da consolidação) do Capitalismo que veio a ter, exatamente nos anos 20 do século passado, a sua primeira grande crise que não se debelou até hoje; crise esta tida, também, como  o início do fim do sistema, que deve agonizar por mais um ou dois séculos.

Do Brasil

Terra de exploração intensiva de seus recursos naturais (pau-brasil, café, algodão, soja, borracha, ferro etc.), o Brasil demorou cinco séculos e meio para se inserir (como protagonista) no sistema capitalista mundial, mas, ainda assim, ancorado nas vendas de commodities.

A pretensão brasileira, iniciada mais fortemente durante a ditadura militar (1964-1985), foi abatida em voo com a agudização da crise capitalista que começa em meados da primeira década deste século, e que levou o país à (provável) maior crise de sua história e que, de quebra, destrói o governo de Dilma Rousseff, coloca contra a parede os poderes da República (Judiciário, Executivo e Legislativo) e põe em xeque a própria Democracia, como capturam as últimas pesquisas de opinião.

Do Temer

Retira 2
Crédito: pinheirochumbogrosso.blogspot.com

A possível ascensão de Michel Temer (o vice, sem votos) ao posto ocupado por Dilma Rousseff ameaça fazer o país retornar aos anos 80, do século passado, quando a última fase do Capitalismo tradicional, o Neoliberalismo, começava a se decompor.

Há quem dê (caso Temer assuma a presidência pra valer) poucos meses de “vida útil” ao vice substituto.

Os sindicatos de trabalhadores, os movimentos sociais, parte da classe média e do setor produtivo já começam a se mostrar inquietos com o possível governo temerista.

Não seria um presidente (com cara de “mordomo de vampiro”, no linguajar escrachado do jornalista José Simão, da Folha de São Paulo) capaz de recolocar o país nos trilhos do Capitalismo avançado, posição que a rigor nem chegou  desfrutar.

Pelo contrário: suas acenadas medidas liberalizantes podem empurrar o Brasil para uma crise ainda maior e fazer crescer ainda mais a insatisfação popular com os rumos do país.

Da Dilma

Ao contrário de Collor de Mello, que renunciou, Dilma Rousseff ameaça resistir “até o último momento”.

Talvez jogue que o impeachment, de alguma forma, morra no próprio legislativo, ou que o STF venha a inocentá-la e, por consequência, fazê-la retornar ao Palácio do Planalto.

Trata-se de uma jogada de alto risco da presidente, pois pode aprofundar a crise brasileira, mas, de outro lado, fazer retornar o seu partido (o PT) à condição de competidor importante na eleição de 2018.

De estradas & mudanças

As condições de hoje são bastante diferentes daquelas das décadas de 20 e 30 do século passado, embora, no caso norte-americano sempre se pudesse migrar para o México, um país (à época) paupérrimo, com graves problemas sociais e pouco atrativo.

Hoje, para a população mundial pobre e sem emprego há uma miríade de acenos por todo o planeta, muito embora esses acenos venham de países que igualmente naufragam juntamente com o Capitalismo e enfrentam um crescente desconforto social.

O que resta, portanto, para o brasileiro acossado pela crise é seu próprio país, sua enorme extensão territorial e a multiplicidade cultural e de oportunidades.

Então, quem sabe, não seja este o momento de deixar para trás uma vida que (a rigor) não nos irá levar a lugar algum?

Mochila nas costas e pé na estrada!

Outras leituras

Dilma diz que “está do lado certo da história” e que não vai renunciar

Dilma diz que não renuncia e que a vítima do golpe “vai continuar visível”

Temer admite levar investigados ao governo | Brasil 24/7

‘Turbulência em eventual governo Temer pode frustrar otimismo do mercado’, prevê brasilianista

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s