Escrever é arte perigosa que pode ser genial

A palavra
Ilustração original alterada de oscarimbaquingo.org

No prefácio da primeira edição de Raízes do Brasil, de Sérgio Buarque de Holanda, o professor Antônio Cândido dá realce ao uso de uma “prosa concisa e despretensiosa, elegante e fluente, plástica na análise conceitual e historiográfica”, de “tom geral, (de) uma parcimoniosa elegância, (e) um rigor de composição escondido pelo ritmo despreocupado e às vezes sutilmente digressivo”, que tem a mesma “matriz estilística e investigativa” buscada por seus contemporâneos Gilberto Freyre e Caio Prado Júnior.

Guardados os devidos respeitos e guardadas as devidas proporções, herdaram de SBH a prosa concisa, elegante e fluente os poetas-compositores Chico Buarque de Holanda (filho de Sérgio) e Caetano Veloso. Talvez mais este que aquele.

Costuma-se dizer por aqui e por outros espaços que muita gente escreve com a mesma pressa com que fala, atropelando sentenças e frases e subtraindo ideias e raciocínios.

Melhor observação, no entanto, fez Vieirinha (o nome completo me escapa), professor de jornalismo de meu tempo de estudante, médico e romancista: “muita gente escreve como se um motorista misturasse areia ao óleo do motor do carro”.

Dos cortes

Usei por algumas vezes uma lógica de redação de jornal: “editar é a arte de cortar”. Alguém com quem houvera trabalhado anteriormente a recordou, mas, infelizmente, não no sentido que dei a ela.

A lógica do jornalismo indica que se deve cortar a matéria escrita pelo seu pé (pelos últimos parágrafos), de sorte que caiba no espaço a ela destinado na página.

No sentido que dei, “cortar” é reescrever o texto, enxugando dele as desnecessidades, os exageros e as impropriedades, de sorte a deixá-lo mais preciso e, por que não, fazê-lo caber no espaço a ele destinado.

Das genialidades

Nem todos somos “figuras geniais” como Sergio, Gilberto, Caio, Antônio, Chico e Caetano, mas sempre se é possível buscar uma escrita concisa, elegante e fluente.

Um ótimo exemplo está no texto “Escolha e perda”, do blog Cafeteria e Conversa, do 16 de maio de 2016.

Não me perco nas crenças, na moral, nas atitudes e nas escolhas de que fala o texto.

Fico com seu título: “Escolha e perda

Num olhar apressado, tem-se que o autor se equivocou, ao flexionar os dois verbos (escolher e perder) no imperativo, sendo que para a segunda pessoa do verbo perder o correto seria perca e não perda.

Tivesse feito isso, o autor teria repetido apenas um erro/vício comum da nossa linguagem coloquial, ao usar o imperativo na segunda pessoa equivocadamente: ex. faz, perda, fala e outros tantos.

Ocorre que não. O que se usou foram dois substantivos (a) escolha e (a) perda, sem que a frase contenha um único verbo (de ação), com os substantivos ligados apenas por um conectivo (e).

Genial!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s