Gervasão voltou e acha que os vários brasis estão uma merda

Temer votado

Sumido há meses, meu amigo Gervasão foi bater lá em casa logo cedo.

“Cê viu, meu?”

“Viu o que, Gervasão?”

“O Brasil, pô!”

“Você está falando de que? De que Brasil? Do Brasil varonil? Do Brasil seleção ou do Brasil de Pelotas?”

“Bão… ia falar do Brasil varonil, mas já que tocou no assunto podemos falar também do Brasil seleção. Hum… desse Brasil de Pelotas nunca ouvi falar não.”

“Pois então fale da seleção.”

“Porra que vexame, meu!”

“Mas o gol foi de mão, Gervasão.”

“Foi de braço, não foi de mão, meu.”

“Tá certo, mas até o Olé tá zuando, dizendo que foi la mano de Dios.”

“É… mas aquela mano de Dios era la mano de gênio, meu.”

“Mas tudo é irregularidade.”

“É, meu. Mas tem diferença.”

“Que diferença, Gervasão?”

“O peruano tava sozinho… que porra de defesa, meu! E Dieguito tava no meio de um bando de branquelos tudo grandão! Sacou a sutileza, meu?”

“OK, Gervasão. Não vamos discutir. Diga lá, então, qual é essa história do Brasil varonil, na sua sempre modestíssima opinião.”

“Tá uma merda como a seleção!”

“Ué? Não tá gostando do interino, Gervasão?”

Gostar… gostar… gostar não. Esse cara parece o Dunga: não sabe o que faz. Cada hora fala uma coisa, meu.”

“Pois então, Gervasão. É o golpe! Você esperava o que?”

“Nada! Mas também não precisava ser tão ruim assim, meu!”

“Tá, Gervasão, mas você tem alguma esperança?”

“Esperança eu só tive uma, meu. Aquela namorada que era do Paraná, meu.”

“Eu lembro dela, Gervasão. Mas era feia pra cacete!”

“Era feia, mas era minha namorada, meu.”

“Tá certo! Quer dizer então que você acha que esse sujeito não resolve porra nenhuma.”

“Disseste bem… não resolve porra nenhuma, parece o Dunga, meu.”

“E se a presidente voltar, Gervasão?”

“Presidenta, meu caro. Respeite o vernáculo!”

“Não enrola, Gervasão. Resolve ou não resolve?”

“Porra nenhuma!”

“Então fazer o que, Gervasão?”

“Fazer porra nenhuma! Bora tomar vinho que eu trouxe dois litros.”

“Eu vi. Legítimos sãorroquês. Uma merda!”

“Uma merda, mas fui que trouxe, meu!”

“Mas é uma merda como o interino, o Dunga, a seleção do Dunga e a…”

“Peraí… a Esperança era feia, mas não era uma merda… era minha namorada, meu.”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s