O jornalismo não morreu, mas ainda permanece na UTI

Jornalsmo
Conexões com o atual momento brasileiro não são meras especulações – Reprodução: oredator.com.br

Era previsível que com o surgimento da internet (re)aparecessem também os velhos coveiros e as carpideiras de sempre a prognosticar e a chorar a morte do jornalismo.

A informação compartilhada e colaborativa e a quebra do monopólio da notícia pareciam indicar que coveiros e carpideiras tinham razão.

Fechamentos, fusões e migrações de plataforma também pareciam indicar que a “informação tradicional” estava por um fio.

Só parecia, pois uma observação mais acurada e isenta indicava que a produção da informação continuaria nas mãos dos profissionais e que “a participação” de “amadores e especuladores” empurraria a notícia (a informação) para um campo inseguro, amador, obscuro e, no mais das vezes, desonesto, sujeito aos interesses corporativos, grupais ou individuais, ou seja, não universal e não democrático.

No Brasil, por exemplo, ex-profissionais, já sem espaço nos meios de comunicação, inflavam o peito para festejar a derrocada do modelo tradicional, em manipulações grotescas daquilo que se via no dia a dia das mídias.

Das mudanças

É correto dizer que os meios tradicionais tiveram de se adaptar “aos novos tempos”, num processo bastante dolorido e demorado.

Há dois anos ou um pouco mais, veículos e editorias especializados na área de ciência e tecnologia fecharam os seus espaços para as colaborações e os comentários de internautas, e dificultaram a reprodução parcial ou total de textos e de conteúdos.

Estudo realizado por universidades norte-americanas indicaram que os comentários alteravam a percepção de quem lia/acessava os conteúdos (informativos) científicos.

Vários veículos em todo o mundo já haviam colocado, desde o início do novo modelo de produção de informação, óbices consideráveis aos comentários dos senhores internautas.

O caso mais notório sempre pode ser verificado no jornal O Estado de São Paulo, na sua versão online.

A partir deste mês, o jornal Folha de São Paulo também passou a criar um sem número de obstáculos aos comentários; jornal que já havia (como diversos outros) dificultado a cópia e a reprodução de conteúdos por ele produzidos.

Dos futuros

Os veículos de comunicação tradicionais tentaram toda sorte de artimanhas para sobreviver ao novo tempo da informação e à avalanche democratista (sic), passando, por exemplo, a cobrar pelo conteúdo disponível na web.

Não era uma boa medida, como se registrou por aqui , diversas vezes.

Estudo realizado pelo American Press Institute indica que “nada menos que 69 dos 98 jornais norte-americanos com tiragens médias maiores de cinco mil exemplares abandonaram a cobrança de acesso às notícias online de forma temporária ou definitiva”.

Mas nem tudo são espinhos na vida da informação profissional, especialmente na do jornalismo impresso, a principal vítima das novas plataformas de informação.

Peter Preston, no britânico Guardian, diz que “Le Monde mostra que o jornal impresso ainda tem futuro”:

Louis Dreyfus, publisher do jornal Le Monde, conta uma história bem maior. Há cinco anos, o mais famoso jornal da França estava perdendo dinheiro rapidamente e, aparentemente, caminhando aos solavancos para o túmulo. Porém – após uma espécie de enfrentamento com a equipe editorial, que achava que mandava no jornal – os proprietários comerciais do jornal adotaram uma nova estratégia que poderia ser chamada “tudo menos a pia da cozinha”. “No Monde, acreditamos que o jornal impresso não morreu”, diz Dreyfus. “Sejam quais forem as dificuldades e as perdas, as pessoas irão comprar o nosso produto, tanto impresso quanto digital, desde que tenhamos conteúdo exclusivo. Iremos sobreviver e crescer se tivermos os melhores jornalistas e essa é a nossa principal prioridade.”

Acrescente-se a título de fechamento deste texto, que mais de 90% do conteúdo informativo reproduzido, por exemplo, nas redes sociais e em blogues e sites “amadores”, tem origem na imprensa tradicional, quer seja em sua forma integral, quer seja parcial, alterado ou manipulado.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s