Crise política coloca faca no pescoço da imprensa

Jornalsmo

O jornalismo é uma atividade controversa e permanecerá assim até o seu último dia, caso esse dia chegue.  A reação ao informado depende do humor do consumidor de informação, que varia segundo seus valores, suas crenças e as oportunidades ocasionais.

Não há ilusão ou medo entre os profissionais de que um dia todo o publicado seja plenamente aceito ou, de outro lado, completamente recusado pelo consumidor de informação.

Os profissionais não sofrem desses devaneios e/ou dessas paranoias.

Karl Marx foi um defensor ferrenho da “imprensa livre”, muito embora todos os Estados que se diziam ou se dizem “comunistas ou socialistas” tenham censurado a imprensa como estratégia de estancar as informações dos “podres poderes” que deveriam ser disponibilizadas/ofertadas à população, o povo.

Marx, aliás, fazia uma analogia da imprensa livre com um telescópio, e, segundo ele, a imprensa tinha/tem tanto poder de mudar a percepção da população sobre as coisas, quanto um telescópio tinha/tem de alterar as leis do universo.

Em países, como é o caso atual do Brasil, assustados e acossados por crises violentas e profundas, há uma tendência de se socorrer dos veículos de comunicação para se saber o que está ocorrendo, por que ocorreu e o que vai acontecer no futuro imediato.

Paralelamente, os veículos de comunicação entram na alça de mira, quer seja da população em geral, quer seja de gente que se diz e se acha especialista em comunicação.

Das sutilezas

A imprensa e seus profissionais, no entanto, fazem por onde merecer as pesadas críticas que recebem. Já se tratou diversas vezes disso por este blog, a última, recente, em Jornalistas vestem a camisa dos patrões e isso é ruim para o jornalismo.

Muita gente, e não são poucos, defende que a imprensa deveria “ter lado”; admitindo-se (de forma simplória), por exemplo, que o mundo seja dividido em esquerda e direita, e que então devessem existir veículos de comunicação parte de um lado, parte de outro.

Não sei se a isso poderíamos chamar de “liberdade de imprensa” ou de informação. Acho que não.

Uma das sutilezas mais enervantes da profissão mostra que o jornalista não trabalha (não tem como) com “verdades” (até porque a “verdade” não existe), mais sim com fatos, ou melhor dizendo, fragmentos de fatos, em outras palavras, versões de dado fato ou factoide (o fato não existente).

Isso não é uma desculpa para nossos desvios e nossas impropriedades.

É, apenas, uma constatação cruel de que nós, os jornalistas, estamos atônitos e perdidos tanto quanto está o consumidor de informação.

Das comunicações

No meio se diz que “assessoria de imprensa” ou ”de comunicação” é uma não atividade de jornalismo, posto que os profissionais da área divulgam apenas “verdades”, verdades que interessam apenas a quem lhes paga.

Nos cursos de comunicação social (sic) há um misturão geral cujos ingredientes são jornalismo, publicidade&propaganda e até relações públicas.

Nunca consegui entender isso, posto que estamos tratando de atividades diferentes (muitas vezes antagônicas) a serem desenvolvidas por estratégias e meios diferentes.

Mas, quem sabe, isso seja proposital (vide mais uma vez o artigo citado acima).

Das reações

As reações do público em geral à informação divulgada guardam, no mais das vezes, muito de injustiça e de incompreensão; muito por conta de que o povo quer ver espelhadas na mídia apenas as suas crenças e os seus valores.

Não se esqueça, igualmente, da reação dos “alvos da notícia” sempre prontos a se furtar a suas responsabilidades e de buscar esconder os seus malfeitos.

Nada disso, no entanto, pode e deve esconder e/ou escamotear os muitos erros, desvios e equívocos dos profissionais e de suas empresas.

A saída deveria estar no reconhecimento, por parte de profissionais e de empresas, desses muitos erros, desvios e equívocos.

Se eles não fizerem isso (e a maioria parece não querer fazer) a saída fica com o consumidor de informação, ao deixar de comprar/assinar jornais e revistas e a “trocar de estação” (TV e de rádio).

Leia também

A construção da realidade por meio da notícia (Observatório da Imprensa)

Análise: Ataque na França põe liberdade de imprensa em xeque (Folha de São Paulo)

Em crise, Observatório da Imprensa faz vaquinha virtual (Folha de São Paulo)

EUA promovem ‘recolonização discursiva’ em Cuba, diz pesquisadora da Unicamp (Opera Mundi)

Imprecisões e manipulações comprometem textos até de gente com talento para escrever (Blog afalaire)

Leituras superficiais destroem debate político e aprofundam crise de acesso à informação (Blog afalaire)

O conteúdo importa (Folha de São Paulo)

Prisões de jornalistas na Turquia põe em xeque a liberdade de imprensa no país (Portal da Imprensa)

Quanto pode o quarto poder? (Observatório da Imprensa)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s