Esquerdistas, ativistas sociais e cientistas vivem em mundos paralelos distantes da população

medicao
Reprodução: Observatório da Imprensa.

Como profissional (jornalista e editor) atuo há anos em dois segmentos que mostram certa dificuldade em lidar com a mídia em geral (principalmente a chamada mídia de massa): as organizações sociais de direitos humanos e a ciência & tecnologia.

Tenho para mim que as razões são facilmente identificáveis:

– ativistas de direitos humanos costumam ver a mídia de massa como inimiga, disposta a escandalizar qualquer informação e ser preconceituosa com as camadas mais vulneráveis da população;

– cientistas, pesquisadores e professores guardam uma certa arrogância ao entender que os profissionais de imprensa não têm preparo suficiente para tratar de determinados assuntos, assim como incapacitado está o público para receber e entender a informação científica.

Já gastei boa parte de meu tempo para buscar convencer (sem sucesso) ativistas de DH e cientistas a reavaliar essa postura tão tacanha e antidemocrática, no sentido de, a partir deles mesmos, ocupar um espaço junto à mídia; vencer as barreiras do preconceito; educar profissionais de comunicação e o público em geral e democratizar informações que tanto ativistas quanto cientistas julgam oportunas e necessárias.

Sempre me pareceu que ativistas e cientistas vivam em mundo próprio, numa espécie de universo paralelo; apartados da população, gerando e consumindo as suas próprias informações e conhecimentos sem que o mundo dê ou possa dar conta de que existam.

Atitudes como essas podem ser uma forma de defesa, mas, como se disse acima, antidemocrática e incompreensível.

É bom notar, no entanto, que tanto o ativismo de DH, quanto a ciência têm seus veículos próprios de informação/comunicação, mas que, apesar dos esforços, não mostram fôlego para ir mais além que de seus próprios universos.

O domínio da informação gratuita e universal continua sendo das mídias de massa (ou populares).

Das esquerdas

Quem caiu na mesma armadilha (se é que algum dia esteve fora dela) foram as esquerdas, que têm a mídia de massa como um inimigo (portanto mais do que um adversário) que deve ser não apenas contestado, mas até mesmo combatido e atacado (muitas vezes fisicamente).

Assim como nos casos dos DH e da ciência, as esquerdas igualmente possuem seus próprios veículos de comunicação/informação.

Veículos de abrangência pequena e de reduzida capacidade de massificação, e que, como acontece com os dois segmentos anteriormente citados, vivem em um mundo paralelo, apartado da maioria da população e, portanto, são antidemocráticos.

Mesmo mídias como as cartas (Capital e Maior), o site do Luiz Nassiff, entre outros tantos, que são tecnicamente bem feitos e abrigam profissionais e colaboradores de capacidade técnica incontestável, não conseguem sair do casulo e aumentar suas audiências, porque, a rigor, falam uma linguagem estranha à população e muitas vezes conflitante com aquilo que o povo vê e sente em seu dia-a-dia.

Não se entenda, que não é esse o caso, que se esteja, a título de comparação, dizendo que a mídia de massa é melhor, mais ética, mais profissional que as demais citadas.

A mídia de massa possui enormes defeitos e comete, diariamente, um sem-número de equívocos naquilo que divulga e publica.

Com erros e acertos, no entanto, ela consegue “falar melhor” e de maneira mais clara com a população.

Das medições

Como se pode ver em texto publicado pelo Observatório da Imprensa, a chamada “grande mídia” tem a supremacia entre aqueles que acompanham as notícias pelas redes sociais ou a elas comentam (veja também a ilustração acima).

Com, 3,95% de média, o Estadão reconquistou o topo da taxa de engajamento nas redes sociais medida pelo Torabit em agosto, mês das Olimpíadas. Zero Hora, com 3,13%, ficou em segundo lugar. A Folha assumiu o terceiro posto com 2,94%”, informa o OI.

No ranking de fãs e seguidores, o R7 segue longe na frente no Facebook, com 12,3 milhões de fãs. Veja é a primeira no Twitter com 7,2 milhões de seguidores. E o R7 também é o primeiro no Instagram com 1,5 milhão de seguidores.

Ou seja, alguma coisa não funciona no mundo paralelo montado pelas esquerdas (e também pelos militantes de DH e cientistas).

Provavelmente alguém esteja equivocado nesta história.

Mas não creio que seja a população que consome informação.

Leia

Estadão volta ao topo na taxa de engajamento nas redes sociais (Observatório da imprensa)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s