O fim do mundo está próximo, mas será o fim mesmo?

eterno-retorno

Na penúltima década do século passado era comum ouvir-se pelas ruas que na virada do milênio a maioria dos brasileiros seria “protestante” e que a floresta amazônica não mais existiria.

Década ou duas décadas antes também era possível ouvir pelas ruas do Brasil (este país que se diz não ser nada racista [sic]) que os “negros” seriam maioria absoluta nesta Grande Terra de Tupã.

A terceira hipótese soava como assustadora num pais de domínio, nos negócios e na política, de gente branca, ou que se diz e se quer branca.

A primeira incomodava católicos (majoritários até hoje), liberais em geral (como se não houvesse liberais entre os “protestantes”) e ateus e agnósticos.

A segunda sempre interessou a poucos. Afinal, a Amazônia fica nos confins do mundo, cheia de mato, de bicho bravo e índios arredios. Quem se importa com eles todos?

Olhando com pouca atenção, pode-se dizer, sem culpa, que esses medos todos vêm de nossa condição subalterna no mundo, coisa da mistura de raças (sic), herança de grupos étnicos não produtores e não usuários de tecnologia avançada, tecnologia esta, óbvio, produzida pela elite branca europeia e por extensão a norte-americana.

Essa antevisão catastrófica se estenderia, por óbvio, para países similares, como os latino-americanos.

Das evoluções

Pode-se, no entanto, entender isso tudo como uma meia-verdade.

Basta olharmos para obras da literatura inglesa futurística, como 1984 e o Grande Irmão; ou para o cinema-catástrofe norte-americano, japonês e europeu; ou para aqueles cientistas que garantem o fim da humanidade antes da chegada do ano 3 mil ou para o físico britânico que sugere que nós caíamos fora da Terra antes que seja tarde.

Há até quem preveja, em nosso lugar, uma nova raça humanoide, formada a partir de nosso atual corpo, mas acoplados nele chips, memórias artificiais, membros mecânicos e anabolizado por drogas sintéticas.

A evolução nos empurrou para o atual estágio há 300 mil anos, o que acarretou na morte de nossos “priminhos” de mesma linhagem.

Talvez sejamos todos filhos de Caim e o Antigo Testamento esteja correto.

A tradição Varnashrama (que conhecemos como Hinduísmo) nos empurra para uma outra lógica que foge à ideia de extinção do universo; qual seja, o universo evolui constante e implacavelmente até o seu esgotamento final, seguido de uma contração (involução/retrocesso) até os seus primórdios para daí dar-se o início a uma nova construção-evolução, assim infinitamente.

A lógica dos vedas foi, de uma forma ou de outra, apropriada pelo filósofo alemão Friedrich Nietzsche (1844-1900) – “o eterno retorno” –, e pelos teóricos do Big Bang – “a grande expansão”.

Dos vazios

Sem quem tenha estudado uma linha sequer de física e de religião, um amigo de infância, morto prematuramente aos 53 anos, não entendia a lógica da eternidade sem um começo.

Para ele, ou era uma coisa ou era outra: a eternidade pressupõe um não começo ou tudo que tem um começo terá necessariamente um fim.

Um filósofo espontâneo e casual que faleceu de causas conhecidas: o uso excessivo de álcool.

Espero encontrá-lo em outro momento, mas sem que tenhamos nos esquecido de sua sabedoria hinduísta, embora ele nunca tenha ouvido falar de Hinduísmo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s