Encandalização e vitimização rebaixam política a níveis impensáveis

Mariveja 01

Sinceramente não vi nada de mais na capa da revista Veja e na propaganda das lojas Marisa que usam a figura da esposa do ex-presidente Lula, a senhora Marisa Letícia, a primeira para vender revista e a segunda para vender confecções e coisa do gênero.

No caso do magazine, algumas pessoas alardearam que a reação nas redes sociais foi farta, assim como fora farta a ida à frente da loja (de algumas pessoas, dizem) para os devidos protestos.

Não vi nenhuma dessas duas coisas. A repercussão nas redes foi pífia e a ida em frente da(s) loja(s) reuniu, quando muito, meia dúzia de pessoas.

Mariveja 02No caso da revista a reação foi maior, com muita gente condenando a publicação e a taxando de extremo mau gosto.

Mau gosto é um conceito bastante discutível.

Assim como a verdade e a realidade (coisas mais importantes que um simples gosto) o mau gosto muda assim que se muda de calçada.

Tudo é relativo.

A rigor a Veja poderia evitar esse tipo de confronto e de exploração oportunista, até para não acirrar ânimos já bastante acirrados.

Que o ex-presidente Lula mentiu e, pelo menos indiscretamente, jogou o enrosco do tríplex do Guarujá na conta de sua ex-esposa, disso todos nós sabemos, mas Veja não precisava conturbar ainda mais um ambiente já conturbado.

Em defesa da revista diga-se que ela está exercendo o seu sagrado direito à liberdade de expressão.

Quem não gosta de liberdade, de liberdade de pensamento, de livre iniciativa, de liberdade de expressão deveria mudar-me ou botar-se daqui para fora – há muitos lugares para se viver pelo mundo.

Mas, pelo menos, tenham consciência de que esse é um caminho sem retorno, inclusive buscado por muito que hoje criticam a liberalidade de Veja.

Já a loja se valeu de um bem humorado mote que o próprio Lula deu, transferindo a responsabilidade pelo tríplex apenas para dona Marisa, como se fosse ele, o ex-presidente, um desavisado, um alienado que nada sabia, que não conhecia nada.

É muita inocência que alguém possa acreditar em tanta inocência assim.

De qualquer forma valeu-se a loja da lógica da democracia, da liberdade de expressão, ou melhor dizendo, de se expressar livremente.

Estamos numa democracia, portanto, e mais do que isso, num regime capitalista aonde essas histórias de liberdade são um bocado comuns.

Nisso tudo resta apenas que o vitimismo anda à solta por este país, o que é sempre um péssimo negócio: o chororô militante é ensurdecedor e a cada dia fica mais chato.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s