Governo Temer ou como o bicho não é tão feio assim

bICHO FEIO
Fotolog

Em política (partidária) vale tudo. Vale tudo desde que sejam golpes baixos, desleais e traiçoeiros.

Nascido na ilegitimidade (é golpe?) o governo Temer é alvo da ira das esquerdas e de liberais mais esclarecidos, embora não votantes no petismo.

Por duas vezes (embora isso tenha ficado ligeiramente submerso, quando não, restrito aos muros do Palácio do Planalto – que, diga-se, não tem muros) Temer pensou e foi pressionado a renunciar ao cargo temporão que ocupava e que ainda ocupa.

Temer também se viu enrolado nas reformas trabalhista (que já aconteceu, mas que pode ser, a qualquer momento, derrubada) e da previdência (que não aconteceu ainda e dificilmente irá acontecer neste ano entrante, muito por conta das eleições presidenciais e estaduais. Quem irá se atrever da votar pela reforma e enfrentar a ira silenciosa das urnas?).

Como era aguardado, o Partido dos Trabalhadores e seus agregados menores pegaram pesado como Temer (até Dilma Rousseff, chegada a uma discrição, partiu para a guerra aberta e declarada); pegaram tão pesado que até a esposa do presidente, a Marcela Temer, se viu constrangida a recolher-se ao papel de esposa do presidente – e a apenas isso.

Nada, óbvio, diferente do que os opositores de então fizeram com Dilma Rousseff e com Lula da Silva.

O jogo é bruto e pesado, e como se dizia na várzea, antigamente, só vale bater da medalhinha para cima.

As críticas ao governo temerista seguem duas lógicas:

– a supressão dos direitos trabalhistas;

– a venda do patrimônio público a governos e a empresas estrangeiras.

Há ainda uma terceira questão (que na verdade deveria ser a primeira ou, a rigor, deveria ser a única) que é a estagnação econômica, com a falta de investimentos, o minguado mercado de trabalhado e o crescimento do PIB bastante discreto, para não dizer pífio.

Na linha de frente, como não poderia deixar de ser, das denúncias relativas aos direitos trabalhistas, está principalmente a Central Única dos Trabalhadores (CUT), ligada ao PT.

Sem se importar em atinar que o mercado de trabalho sofreu mudanças consideráveis nos últimos anos, onde não cabe mais o discurso arcaico e anacrônico trabalhista, ou seja, pequeno burguês, a CUT cada vez menos representa a vontade dos trabalhadores atuais e hoje apenas serve de braço (desarmado do petismo).

A venda do patrimônio nacional a governos e a empresas estrangeira igualmente deveria ser objeto de melhor análise pelos anti-temerista, já que o próprio PT estava tratando de se livrar (especialmente na era Dilma Rousseff) dos óbices que o estatismo sempre comporta.

De mais, há de se notar (já disse isso em algum lugar por aqui) que a China, tida como comunista ainda pelos supostos esquerdistas, é apoiada (já era assim no tempo de Lula e de Dilma) em sua incursão pelo território nacional para a compra de milhões de hectares pelo Brasil.

E quem não se lembra dos festejos (dos esquerdistas) por conta daquela história dos investimentos chineses, no governo de Dilma Rousseff, para ligar o litoral do Rio de Janeiro, via estrada de ferro, com o Pacifico?

O perigo para esta gente, portanto, não está em vender ou deixar de vender empresas e o patrimônio nacional, mas sim para quem vender.

E isso vale para os dois espectros da política nacional, com sinal, obviamente, invertido.

A questão, no entanto, é saber se o legado de Temer será tão ruim para o Brasil ou não?

Não parece que seja tão catastrófico assim como alguns querem demonstrar.

Estamos num país especializado em crises – tanto as econômicas, quanto as políticas – que sempre soube seguir em frente, sem maiores traumas, inclusive enfrentando uma feroz, absurda e longa ditadura militar que durou infindáveis 21 anos.

Lembremos, inclusive (só para ficarmos nos exemplo do pós-guerra), que tivemos, por exemplo, a crise do café, no inicio dos anos 50; as instabilidades provocadas pelo treloucamento de Jânio Quadro, que depois se repetiu com Fernando Collor de Melo; o golpe militar contra o governo trabalhista de João Goulart; o melancólico e catastrófico fim da ditadura militares e a conturbadíssima era José Sarney e sua inflação superior a 80% ao mês.

O Brasil segue um rumo lento (sempre lento!), mas seguro; o país não tem, obviamente, uma economia espetacular, mas também não será nada que nos levará a morrermos todos de fome daqui a dois dias.

Apesar de Michel Temer e do legado que deixará.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s