Walter Benjamin, por Joaquim Leães de Castro

Joaquim Leães de Castro

Walter Benjamin colocou em jogo a forma de enxergar a realidade. Havia uma forma muito própria de elaborar questões relacionadas à filosofia, à arte, à estética, à antropologia, à educação, às ciências sociais, e claro, à história. Sendo assim, entendendo que o caminho, ou método, deveria ser sempre ‘desvio’. Método seria desvio. Toda elaboração intelectual poderia desviar para se chegar onde se gostaria. Essa seria, portanto, a hipótese gerada por ele para a ideia de pensamento estético. Algo que pareceria restrito à história, mas que foi desenvolvido para um entendimento de realidade. Para Benjamin, a arte figura, então, como algo que inaugura uma nova concatenação de ideias. Onde o novo, e a ideia de mundo, renasce cada vez que um artista recria o mundo, ou quando recria o que é o mundo para si. Um pensamento profundo em contato com a arte. Talvez como questão fundamental seria a intenção de…

Ver o post original 1.259 mais palavras

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s