Iniciada por Dilma Rousseff crise está destroçando o país da Era Temer

Governo faz virada gradual e realista de página, diz Dilma
Foto GGN (alterada)

Neste final de semana recolhi dois testemunhos de gente que não está apenas assustada com o que está acontecendo com o Brasil, mas também, surpreendida, não sabe explicar as causas que transformam rapidamente o país numa espécie de área de terra arrasada, campo fértil para que um “aventureiro lance mão” [1], tal qual no samba de Chico Buarque de Holanda.

O final de semana também registrou, em São Paulo, dois policiais militares (em situações diferentes e não no mesmo local e dia) baleando ladrões. Um deles morreu e a policial acabou sendo homenageada pelo atual governador paulista.

O abate dos ladrões não foi tão somente alvo de homenagens governamentais, mas também saudado por parte da população e objeto de extensas reportagens na mídia, especialmente pelas TVs.

Ninguém se condoeu com o destino dos ladrões, nem mesmo gente ligada à mídia de esquerda e nem se viu os grupos sociais, defensores dos direitos humanos, reclamando da temeridade da ação dos PMs.

Não fixei nem o caso, nem a sua origem, mas li ainda ontem que se preocupar com o direito alheio – social, ambiental etc. – está saindo de moda, e já sendo alvo de gozações e achincalhamentos.

Provavelmente estejamos começando a viver um “revival” (revivalismo) dos anos 80 e 90 do século passando quando se apontava como o único culpado pelos infortúnios da vida (entre eles, o mais chocante: a pobreza) o próprio infortunado.

Simultâneo a isso, ainda persiste junto a parcela considerável da população a crença cega na ciência, que, igualmente, irá (finalmente?) apartar os bem nascidos (sic) e inteligentes (sic) da imensa camada pobre e desqualificada.

Há uma certa negligência, tenho notado, nessas abordagens; uma certa preguiça irresponsável que nos empurra fugir de entender por que cresce o número de pessoas para quem, por exemplo, “bandido bom é bandido morto”.

Estamos, ao que parece, apenas fixados nas injustiças sociais que vitimina boa parte da sociedade, mas não olhamos para o outro lado da questão, qual seja, para aqueles que igualmente se sentem vítimas, embora vítimas com certos privilegiados.

Isso talvez nós ajudasse a compreende o que ocorre com a sociedade como um todo.

Já passa da hora de nos superarmos e de buscarmos explicações menos simplista para os dramas sociais que vivemos.

Os testemunhos

Dos testemunhos que recolhi, e que está apontado no primeiro parágrafo, chama atenção a unanimidade da descrença e do desalento.

A atual crise que se iniciou antes do final do primeiro mandato de Dilma Rousseff, apenas fez crescer com Michel Temer, e não dá sinais de refluxo.

A expectativa do PIB, por exemplo, que deveria chegar a 4% ou até mais um pouco (ao fechar 2018) agora está recuando para 3,7% com tendência de queda acentuada, e não devemos nos surpreender se o PIB brasileiro fechar o ano próximo a 1%.

Os reflexos disso estão sendo devastadores para a economia brasileira e para a sociedade nacional, especialmente para a população mais pobre e a menos preparada (equipada) para enfrentar esse tipo de vicissitude. (MTS)

Nota

[1] “Samba de Orly” – Chico Buarque: https://www.youtube.com/watch?v=rfpjEeK1Jeg

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s